fbpx
68 / 100

Este é um caso de uma mulher sofria de insegurança, que tinha muita dificuldade em falar não e vivia fazendo escolhas erradas.

Essas histórias são reais e o objetivo é mostrar ao mundo que seja qual for o trauma ocorrido, a dor, a tristeza profunda, as mágoas, há uma saída dentro de nós. 

Algo que nos leva a um estado de superação, maturidade, alívio e recomeço.

Paulista com seus trinta e poucos anos, cheia de objetivos não realizados, vivendo uma vida frustrada e sonhando em construir uma família.

Carol* já havia feito terapias e quando me procurou disse que gostaria de passar pela Regressão

Vários relacionamentos “errados”, uma insegurança em quase tudo que ia fazer, a autosabotagem era algo constante e convivia com pensamentos negativos. 

– “Dayane, eu já não sei mais o que faço para mudar, tudo que tento não dá certo e fico ainda pior. Isso está me gerando ansiedade e só quero ficar em casa”.

Vamos direto ao ponto:

Analisei que o caso dela poderia ser usado a Regressão de Memória para começarmos investigar melhor o passado e como sua mente compreendeu alguns eventos. 

Como ela tinha uma grande expectativa para este momento então gastamos somente alguns minutos para que ela alcançasse o estado de transe necessário. 

Nas primeiras cenas ela se via em algum lugar escuro, não parecia reconhecer o local até que ouvi uma voz familiar, era seu pai conversando com alguém.

– O que você sente quando ouve a voz do seu pai? Pergunto.

– “Não entendo, parece que ele não brinca muito comigo”…

Outra cena invade. Ela se vê brincando na porta de casa com outras meninas, questionei a idade e o primeiro número que veio foi 4. Carol* relata que se vê triste olhando para as outras meninas, “eu me sinto muito diferente delas”, comenta. 

Ela ainda não sabia os motivos daquela garotinha (Carol com 4 anos) se sentir assim. Ela aceita minha sugestão de quando eu disser 3 ela irá retornar ao primeiro momento que ela se sentiu triste pelo mesmo motivo. 1…2…3! 

Ela começa a chorar e vê seus pais brigando e ele dizendo: “eu não queria ter outro filho, o que vamos fazer com ela agora, essa menina não pára de chorar e está me deixando louco?”

Carol só tinha 3 aninhos e sua mente acolheu essa frase do pai juntamente com o sentimento de rejeição pelo fato dele a tratar diferente. 

Vocês já podem imaginar como uma crença limitante pode ter começado aqui, mas estas não foram as únicas cenas que apareceram. 

Continuamos o processo e em outras cenas Carol se via passando por bullying, via o pai várias vezes agindo diferente com o irmão, levando-o para sair por exemplo e ela ficando em casa. Uma cena que a fez chorar, foi quando Carol escreveu a primeira cartinha para sua mãe e ela disse “ficou linda Carol, mas você escreveu errado essa palavra” e soltou uma gargalhada. Para Carol aquilo soou como uma crítica e um grande erro. 

Última cena forte. Ela regrediu até uma cena na escola (+ ou – 12 anos) onde os colegas zombavam dela porque estava “apaixonada” pelo menino mais bonito da sua sala. Carol relata que eles diziam frases tais como “você é feia, acha que ele vai querer namorar com você”, “nem seu irmão fica do seu lado no recreio”, “você só sabe chorar”… 

Pensem comigo: não é nada fácil passar por estas situações quando somos crianças. Carol já carregava uma série de crenças sobre o que acontecia em sua vida, ela não tinha maturidade o suficiente para conseguir olhar de outra forma.

Para aquela garotinha ela cresceu com o sentimento de rejeição, menosprezo, incapacidade, entre outros… Agora me diga, acha mesmo que isso não influenciou na mulher que ela se tornou? Conseguem perceber os medos ocultos que haviam, as inseguranças e tantos motivos que ela tinha para se sabotar?

Finalizamos o processo regredindo em cada uma dessa cenas, acolhendo a dor, reconhecendo os significados, superando e RESSIGNIFICANDO

Agora Carol se liberta das próprias limitações e propõe para si uma nova forma de perceber as coisas que te ocorreram. 

Quando ele abre os olhos, aparece um sorriso leve e um suspiro de alívio. Hoje faz 20 dias que atendi a Carol e enviei uma mensagem perguntando como ela estava se sentindo. Brevemente ela me responde: 

– “Me sinto diferente, consegui falar alguns não e resolvi várias coisas que estavam pendente em minha vida. Sinto leve Dayane, obrigada”. 

Fiquem certos, é muito emocionante fazer parte destes processos, me sinto grata e aprendo com cada caso! 

Até o próximo 🙂 

Caso de Regressão para Tratar Dores Sexuais

Caso de Regressão para Tratar Dores Sexuais

Ela já não mantinha relações sexuais devido às dores que sempre sentia durante o ato, além de não sentir prazer se cobrava por isso e recebia cobranças de seu parceiro também.

Caso de Regressão para Tratar Dores Sexuais

Caso de Regressão para Tratar Dores Sexuais

Ela já não mantinha relações sexuais devido às dores que sempre sentia durante o ato, além de não sentir prazer se cobrava por isso e recebia cobranças de seu parceiro também.

Não espere mais.

Comece a reconstruir seu próprio caminho hoje!

Tirar Dúvidas

Lista de Espera para Atendimento

Assine a nossa newsletter

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de discussão para receber as últimas novidades e atualizações da nossa equipe.

Inscrito com sucesso

Inscreva-se para receber
seus E-books

Inscreva-se para receber

seus E-books

Inscrito com sucesso

× Como posso te ajudar?